Quando a fala cala: o discurso de educadores sobre as dificuldades de aprendizagem

19/01/2018

RESUMO

 

A exclusão de grande parcela da população brasileira do mercado de trabalho, devido a não escolarização, é fonte de questionamentos e de interesse em investigação, com a pretensão de questionar esta situação. As dificuldades de aprendizagem são muitas vezes entendidas pelos educadores como expressões de patologia mental ou orgânica, desestruturação familiar ou marginalidade social. Objetivo: Este trabalho visa refletir sobre a forma como os educadores, de uma escola pública da cidade de São Paulo, entendem as dificuldades do processo ensino e aprendizagem e os efeitos de segregação vivenciada pelos educandos. Este trabalho faz parte de uma pesquisa de mestrado em andamento da linha de pesquisa: Linguagem e Subjetividade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Material e Método: Foram realizados cinco encontros com cerca de cinco professores de uma escola pública da cidade de São Paulo, coordenados por dois psicanalistas, em que usou-se a conversação, dispositivo proposto por Jacques-Alain Miller. Esse dispositivo visa privilegiar o debate vivo entre os participantes sobre um tema tomado como problema, em busca de construções inéditas. Todo o conteúdo foi gravado e transcrito. Os dados foram tomados a partir da análise de discurso de Michel Pêcheux., disciplina que se propõe a identificar o viés ideológico que atravessa os discursos estabilizados, caso do discurso na e sobre a escola. Pretende-se, ao final, contribuir para com o campo científico, evidenciando uma prática psicanalítica que poderá dissolver elementos sedimentados na instituição, viabilizando a construção de novos caminhos para a prática pedagógica.

 

INTRODUÇÃO

 

As dificuldades de aprendizagem são entendidas pelos educadores como expressões de uma doença mental ou orgânica, sem levar em conta um sistema que discrimina e exclui. Desta forma, surgem as patologias: dislexia, déficit de atenção, hiperatividade, entre outras. Este trabalho visa investigar, junto a educadores, os sintomas que se apresentam na escola e como o educador nomeia os pontos de impasse na educação. Para isso, serão analisadas as falas dos educadores para trazer à luz a ideologia que subjaz seus dizeres. A popularização do discurso clínico no ambiente escolar, além de provocar a rotulação do educando através de uma suposta patologia, isentou o educador de suas responsabilidades pedagógicas. Dessa forma, a metodologia educacional, ministrada nas escolas, mantém-se inalterada e o educando torna-se o único responsável por não aprender. O educando que apresenta dificuldades no processo de aprendizagem é caracterizado como fracassado e, por consequência, excluído do contexto educacional. Mas o educando não possui pleno esclarecimento sobre as razões de seu comportamento resistente aos ensinamentos do educador. Freud (1914/1996, p.165-6), sobre a relação analítica, diz “por exemplo, o paciente não diz que recorda que costumava ser desafiador e crítico em relação à autoridade dos pais; em vez disso, comporta-se dessa maneira para com o médico”. Os educadores culpabilizam o educando, a família e o Estado pelo fracasso escolar. Podemos considerar uma violência a não correspondência às demandas de aprendizagem dos educandos e a permanência destes no ambiente escolar por anos sem saberem ler e escrever.

 

Trabalho completo apresentado no 1º CONGRESSO TRANSDISCIPLINAR PORTUGAL|BRASIL SOBRE O BEBÉ, 2018, Évora, Portugal. 
 

Clique aqui para ler o trabalho na integra.

 

Resumo completo das apresentações no congresso.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Posts em Destaque

RESUMO

A exclusão de grande parcela da população brasileira do mercado de trabalho, devido a não escolarização, é fonte de questionamentos e de interes...

Quando a fala cala: o discurso de educadores sobre as dificuldades de aprendizagem

19/1/2018

1/7
Please reload

Artigos
Please reload

Siga-me nas Redes Sociais
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Black YouTube Icon

Rua Emílio de Menezes, 76

Higienópolis
São Paulo, SP

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Instagram Icon
  • YouTube - White Circle

Tel: (11) 2506-6494